O Estado Supremo do Conhecimento

Menu Principal

Eventos & Cursos


Menu Principal

Assinatura


Torne-se membro

Descubra mais sabedoria e práticas para elevar a si mesmo, a sua vida e as pessoas ao seu redor. De artigos e vídeos semanais a aulas e eventos com transmissão ao vivo e presencialmente, há um plano de assinatura para todos.

Veja planos de assinatura
Assinatura em Destaque:
Comunidade
  • Benefícios inclusos:
  • Participe de webinars interativos toda semana
  • Assista a cursos completos on demand
  • Aproveite descontos em eventos, orientação em serviços individuais e produtos*
  • E muito mais...
  • Junte-se Hoje
  • *Nas localidades participantes. Haverá restrições aplicadas.
Menu Principal

Orientação


Vá ainda mais fundo na sabedoria da Kabbalah com orientação personalizada e leituras de mapas.
Encontro gratuito com um professor

Nossos instrutores dedicados estão aqui para ajudá-lo a navegar em sua jornada espiritual.

Solicite o Seu
Leitura de Mapa Astral Kabalístico

Aprender sobre nossa alma por meio de um mapa astrológico ajuda a dar mais significado e maior compreensão às experiências que enfrentamos, às pessoas que conhecemos, ao trabalho que fazemos e às bifurcações da estrada.

Agende uma leitura de mapa
Orientação Pessoal - Serviços do Kabbalah Centre

Sessões personalizadas individuais com um instrutor para aprofundar em uma área que lhe interessa ou oferecer suporte onde você mais precisa. As reuniões abrangem desde relacionamentos, tikkun e estudo profundo do Zohar, todas personalizados especialmente para você.

Reserve uma Sessão de Orientação

O Estado Supremo do Conhecimento

Michael Berg
Maio 19, 2024
Curtir 22 Comentários 6 Compartilhar

Este artigo foi publicado anteriormente em 2019.

Aprendemos no Talmude Eser HaSefirot (Dez Emanações Luminosas) que existem Dez Sefirot e Cinco Mundos, e cada um desses mundos possui Cinco Mundos dentro de si e cada sefirah possui Dez Sefirot dentro dela. Rav Ashlag diz que isso continua indefinidamente; em cada mundo há uma quantidade infinita de mundos e dentro de cada um desses mundos há uma quantidade infinita de mundos, e assim por diante. Então, por que o Criador estruturou os mundos desta maneira? Por que existem, literalmente, uma quantidade infinita de mundos?

“A Luz do crescimento existe em toda a terra.”

É dito, e o Ramchal também cita, que o estado supremo do conhecimento é chegar ao entendimento de que realmente não sabemos nada, que, não importa o que tenhamos aprendido até agora, não importa o que entendamos até agora, isso realmente não é nada comparado ao entendimento final. E a única maneira de nosso trabalho espiritual realmente revelar a Luz é se, com todo o trabalho que fazemos, houver, portanto, uma diminuição de nós mesmos.

Assim, o Arvei Nachal usa um exemplo do Magid de Mezeritch, que explica como a vegetação cresce. A Luz do crescimento existe em toda a terra; no entanto, deve haver uma diminuição dessa Luz para que ela se manifeste na vegetação. Toda essa Luz deve ser reunida em um único ponto, e então uma árvore pode surgir. Pensamos que uma árvore cresce quando colocamos uma semente na terra, mas o Magid de Mezeritch nos diz que não é o caso. A verdade, ele nos diz, é que a terra em todos os lugares tem a capacidade de crescer árvores, mas deve haver uma diminuição da Luz da terra em um ponto específico, e essa é a semente. Então, ela tira todo o poder de crescimento de toda a terra ao seu redor e cresce.

Mas sabemos que não é suficiente apenas colocar uma semente na terra. Se a semente não for quebrada ou deteriorada, nenhuma árvore pode crescer a partir dela. Se a casca ao redor da semente permanecer forte, então ela nunca será capaz de atrair o poder espiritual de crescimento que a terra possui. Portanto, primeiro, a casca ao redor da semente deve ser quebrada, e então ela pode atrair da Luz que a rodeia na terra. A terra tem o poder de crescer, a semente tem o poder de atrair essa Luz e criar uma árvore, mas enquanto a casca permanecer ao redor da semente, nada pode acontecer.

“Precisamos ter a revelação de que na verdade não fizemos nada.”

E o mesmo vale para nós; todo o trabalho espiritual que fazemos pode ser comparado à Luz do crescimento que existe na terra. Deve haver uma quebra de nossa casca antes que qualquer Luz seja revelada. Portanto, após qualquer trabalho espiritual que fazemos, precisamos ter a revelação de que na verdade não fizemos nada. Claro, não é que literalmente não fizemos nada; é importante entender a diferença. Há uma pessoa que realmente não fez nada, então há uma pessoa que faz seu trabalho espiritual e está crescendo, mas ao se conectar ao mundo espiritual vê que, em comparação com o lugar onde precisa estar, não fez nada.

É como a parábola de Rav Ashlag do verme dentro da maçã podre. O verme pensa que sua vida é tão escura e apodrecida, mas à medida que come um pouco, ele passa por camadas e começa a ver a luz, até chegar à casca final da maçã e ver o grande mundo lá fora, percebendo que a vida não é escura nem podre. Este é o mesmo processo pelo qual devemos estar passando constantemente em nosso trabalho espiritual. Se estamos fazendo nosso trabalho espiritual corretamente, significa que estamos indo de um nível para o próximo, e que, quando chegamos ao próximo nível, olhamos para trás para o que alcançamos e vemos que foi tão pouco.

Imagine subir uma montanha na qual, cada vez que chegamos a um nível, nunca vemos realmente o topo, mas sabemos que está lá, então subimos 30 metros e vemos o próximo nível que precisamos subir, e subimos esse nível, e assim por diante. Se estamos fazendo nosso trabalho espiritual corretamente, é isso que vamos ver o tempo todo em nossas vidas. Portanto, quando o Ramchal fala sobre a ideia de que o estado supremo do conhecimento é chegar ao entendimento de que realmente não sabemos nada, não significa que não estudamos e não sabemos literalmente; significa que uma pessoa que faz trabalho espiritual precisa perceber que não fez nada em comparação com o lugar onde precisa estar.

Cada sefirah, como dissemos, tem Dez Sefirot dentro dela, e cada uma dessas tem mais dez dentro dela, e assim por diante. Por quê? Porque agora entendemos que cada parte do trabalho espiritual que fazemos nos leva de um lugar para outro; quando uma pessoa está se elevando espiritualmente, ela vai de uma sefirah para a próxima sefirah, de um mundo para o próximo mundo. E se fazemos nosso trabalho espiritual, vendo o próximo nível, vendo o quanto ainda temos que avançar, olhamos para trás e dizemos: "Realmente não fiz nada comparado ao que tenho que fazer", se esse é nosso pensamento constante e estamos sendo constantemente mostrados a próxima grande distância, significa que estamos crescendo espiritualmente.


Comentários 6